PICARETICE ELEITORAL DE ROLLEMBERG

Rollemberg apresenta projeto que estabelece eleição para administradores regionais

rollemb.jpg
Governador Rodrigo Rollemberg

4 anos depois de se eleger com mentiras, Rolemberg só agora, em véspera das eleições de 2018, manda projeto para fazer discurso eleitoral, pois esta medida é simples manobra para justificar seu grande equívoco sobre o tema. Eleições para Administrador é uma grande piada. Todos sabem que isso é inviável para Brasília, uma vez que nem mesmo a CLDF é necessária nem produtiva.

Continuar lendo PICARETICE ELEITORAL DE ROLLEMBERG

Anúncios

A misteriosa água-viva de apenas dois centímetros que cientistas acreditam ser imortal

Depois de milhões de anos de evolução, animal teria conquistado um poder de regeneração impressionante e não morreria de causas naturais – só quando atacado por predadores.

 A pequena água-viva Turritopsis nutricula pode viver para sempre  (Foto: Alvaro Migotto/Cebimar/USP )
A pequena água-viva Turritopsis nutricula pode viver para sempre (Foto: Alvaro Migotto/Cebimar/USP )
 O ser humano sempre desejou a imortalidade, buscando a fonte da juventude, o elixir da vida eterna. Também povoou suas mitologias, religiões e histórias com seres, deuses e heróis que nunca morrem. Mas, na vida real, quem conseguiu esse feito foi uma pequena água-viva de não mais do que dois centímetros de diâmetro.

Continuar lendo A misteriosa água-viva de apenas dois centímetros que cientistas acreditam ser imortal

“LAÇOS DE SANGUE”

Entre tantas formas de amor, temos a nossa própria maneira de amar e, não raro, defendemos, com veemência que apenas o sangue não o é bastante para termos por alguém afeto fraternal…

Pela vida toda, de acordo com as circunstâncias vamos criando estes motivos, construindo amizades fazendo irmãos, arranjando filhos, pais e mães por força da necessidade e pelo hábito da convivência.

Há um amigo a quem nos apegamos muito mais do que a um irmão. Pode ser verdade, em alguns casos isto é um fato, verdade irrefutável. Todavia, penso que, pela experiência de vida que tenho, por tantos momentos vividos, e por fazer parte de uma grande família, com parentes ligados pelo sangue e muitos outros parentes forjados pela convivência e circunstância, contudo, posso sugerir uma tese, a de que as ligações do sangue, como raízes, são muito mais profundas e relevantes em certo momento da nossa vida.

Motivo pelo qual afirmo isso, é que as amizades, como os ditos amores românticos, relações de afeto em geral, se não forem alimentadas morrem, se perdem pelo tempo do esquecimento, e pela falta de atenção das partes envolvidas. Já fui expectador de várias situações semelhantes, onde o amor se esfriou, e as amizades se distanciaram, se perderam, de forma que não puderam mais ser reativadas, mesmo com certo esforço de ambas as partes, muito do que foi afeto, se transformou em simples lembrança, e as pessoas seguiram em frente com suas vidas, e não se sofrem por isso, pelo menos aqueles que compreendem, com julgamento lúcido e justo, a sua responsabilidade por tal afeto perdido, deixado para trás.

Já com os laços de sangue, ocorre algo singular, sabemos que há pessoas que são desnaturadas, filhos que ignoram pais e pais que abandonam filhos, todavia, a regra natural, dentro desta minha observação pessoal é que o sangue pesa, a ligação é muito forte, e quando se está em perigo, irmãos, pais e mães, são os únicos que se sacrificam uns pelos outros….

Penso assim e defendo que, a regra deve ser esta. O homem, aquele que mantem certa medida de honra familiar, que ainda preserva um pouco do instinto, vai cuidar dos seus, vai prover o necessário em todos os campos da existência humana, prover pão e abrigo, afeto fraternal e cuidado emocional para os que são parte primaria da sua carne e sangue, homem nenhum, a meu ver pode ignorar este fato, esta verdade, e viver em paz com sua consciência: O laço de sangue é um fio de eternidade….

Para meu irmão Jadeilson, e todos os outros membros da minha carne,

Evan do Carmo 18/02/2018

EVAN DO CARMO LANÇA CATARSE, SEU NOVO LIVRO DE POESIAS

27983050_792140600956277_7731244962970871123_o.jpg
CATARSE, 2017…. ARTE DA CAPA, DA SILVA JÚNIOR

Catarse…de roupa nova, definitiva… Obrigado, Da Silva Júnior pelo belo presente…. Prefácio do poeta Alufa-Licuta Oxoronga….

160 páginas de purificação da alma… Acrescentei um poema para minha Mãe, e o poema “Que dor é essa!”

Poucos poetas podem se considerar concluso em um livro, uma vez que todos os livros são fios de uma mesma teia, cordões de Ariadne, água de uma mesma fonte.

Contudo, alguns se destacam pela beleza, pela força criativa ou pela presença de espírito, a soma de suas virtudes pode vir a calhar em um único livro, aquele que pode resumir o tamanho de tua alma…

Na poesia, eis o livro que não ficou me faltando nada….

 

Quando o verbo em mim calar
cessará todo o julgamento do mundo
a consciência do medo se dissipará
e hão de se fechar todos os abismos
então reinará o imponderável silêncio
sobre o discurso da dúvida…(…)
Página 140

Evan do Carmo 16/-2/2018

Cover_front_perspective

Número de páginas: 160

Edição: 1(2017)

ISBN: 978-85-923110-0-1

Formato: A5 148×210

Coloração: Preto e branco

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Offset 75g

Temer cede a Pezão e decide decretar intervenção no Rio de Janeiro

Decisão de Temer foi tomada durante uma reunião de emergência no Planalto, da qual participaram líderes da Câmara, do Senado e ministros. Situação do Rio é vista como “guerra civil”

Sem título-2.jpg
O que está errado no Brasil ?

O Exército Brasileiro passará a ter responsabilidade sobre as polícias, bombeiros e a área de inteligência do Rio de Janeiro, inclusive com poder de prisão de seus membros. A decisão foi tomada no início da madrugada desta sexta-feira (16/2) pelo presidente Michel temer, que vai decretar intervenção na segurança pública por conta da onda de violência que avança no Estado. A medida colocará as Forças Armadas em uma operação inédita em sua história.

Continuar lendo Temer cede a Pezão e decide decretar intervenção no Rio de Janeiro

Tribunal Eleitoral libera mais R$ 888 milhões para campanhas de 2018

Resultado de imagem para tse
Eleições 2018

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou os partidos políticos a usarem o Fundo Partidário para bancar as campanhas de seus candidatos nestas eleições, destaca o jornal O Estado de S. Paulo na sua edição desta quarta-feira (14/2). Para este ano, o valor aprovado pelo Congresso é de R$ 888,7 milhões, dos quais R$ 780,3 milhões oriundos de dotação da União. Com a decisão do TSE, esse valor se somará ao do fundo público eleitoral de R$ 1,7 bilhão, aprovado pelo Congresso no ano passado.

Continuar lendo Tribunal Eleitoral libera mais R$ 888 milhões para campanhas de 2018

Madame Bovary, de Gustave Flaubert

MADAME BOVARY DE GUSTAVE FLAUBERT

5679-madame bovary cover
O escritor francês Gustave Flaubert publicou em 1857, depois
de cinco anos de trabalho, a obra-prima intitulada Madame
Bovary. Através da descrição das frustrações e aventuras de
uma jovem mulher casada com um decadente médico de província,
o autor aborda de forma distanciada e, por vezes, desdenhosa,
temas como o amor, a desavença conjugal, a negligência médica,
a sexualidade e o suicídio. A escrita rigorosa, o realismo e a
objectividade, mas também o sentido do ridículo, caracterizam
esta narrativa que marcou a história da literatura até aos
nossos dias.

Madame Bovary, livro publicado em 1857, é sem sombra de dúvida a obra mais relevante de Gustave Flaubert. No entanto, para mim, não é como dizem os críticos mais importantes de sua obra, que o livro se consagrou pelo fato de Flaubert ter inventado uma nova forma de narrador, nem tampouco pelas descrições de cenas, algo que já existia nas peças medievais. Contudo, este modelo de escrita revolucionário viria se tornar comum apenas nas novelas atuais.

 

 

Madame Bovary, como romance, representa, portanto, no cenário mundial, peça única, no seu estilo e importância, algo sem paralelo também para o Realismo Francês, desta forma Madame Bovary está para o romance como As Flores do Mal, de Bauldelaire está para poesia.

Fala-se muito sobre o livro como uma ode ao adultério, por isso seu autor teria sido quase condenado pela sociedade puritana, representa e defendida pelo governo francês da sua época. Todavia, a meu ver, muitos não perceberam e nem percebem os críticos atuais, que o livro traz muito mais do que uma exposição moralista e decadente da burguesia europeia.

A obra revela a insatisfação existencial do próprio autor, impressa na sua personagem principal de sua tragédia humana, e, sobretudo, fracos lampejos de iluminismo também ineficazes para animar o espírito humano nas trevas do ceticismo intelectual.

A obra é um retrato fiel da decadência humana, contudo, não poderia deixar de revelar também sua estupidez, nos atos inconsequentes de Emma, algo que se repete e que se repetirá eternamente nos atos humanos, enquanto formos homens e mulheres em conflito com a nossa própria realidade, enquanto sonharmos com o mito da felicidade, pois, segundo nos revela a obra, só existe na literatura romântica e na cabeça dos grandes escritores.

Neste meu parecer, que também não é perfeito, compreendo que sua musa-protagonista, Emma Bovary, vive como Dom Quixote, fora da realidade, isto se dá pelo mesmo feitiço da leitura de muitos romances, que a fizeram vazia, sem alma própria, seu espírito se transporta para as páginas dos romances, com um idealismo quixotesco de nos fazer rir da sua pretensa ingenuidade. Contudo, Emma nos faz chorar e lamentar a sua inocência, em seu apoteótico e previsível fim.

Em se tratando de literatura comparativa, logo nos saltam os olhos muitos detalhes da construção psicológica das intenções dos autores, ambos com o mesmo desejo, o de explorar a decadente e provinciana sociedade em que viveram. Me refiro, em termos comparativos, embora publicado uns 21 anos depois, ao Primo Basílio de Eça de Queirós, não na importância para o realismo mundial, pois como dito, Madame Bovary é obra singular neste respeito, por isso deu luz a tantos outros livros mundo a fora.

Se fosse me aprofundar na análise das personagens da obra de Flaubert, sobretudo nas almas masculinas desta magnifica ficção, faria um resumo das personalidades dos homens, aqui denegridas pelo autor. Em síntese, os três homens ligados à sua protagonista, Emma Bovary, diria que são homens fracos, neles se revela a inversão de valores que se encontra em Emma, mesmo sendo ela uma sonhadora e delinquente no atos e na conduta. Os amantes são fracos e covardes, quando não assumem o romance e a tratam com desprezo e indiferença, também por explorar sua aparente fragilidade e carência afetiva. Talvez seja pelo fato de que este romance ideal só exista na mente alucinada de Emma. Já o marido, por sua vez, além de corno convencido, pois suas atitudes deixam nas entre linhas que sabe da conduta da esposa, das suas escapadas, muitas vezes com seu consentimento, é de caráter fraco, homem sem ambição e profissional mediano, pessoa depressiva e de espírito anêmico.

Madame Bovary, como tantos outros clássicos deve ser leitura obrigatória, especialmente para quem estuda e produz literatura. É claro que para pessoas comuns, destas que vivem na correria do mundo real e nas facilidades do mundo virtual, este livro não servirá, nem como entretenimento nem como referência para um aprendizado humano. O fato do adultério ser o tema principal, e de ter causado polêmica sobre a obra e sobre as intenções do autor, o livro vai muito mais além de tudo isso que já foi dito, tanto por muitos que já se debruçaram sobre a obra, como por mim, neste mini parecer daquilo que para mim deve ser levado em conta.

Baixe o livro

Madame-Bovary-Gustave-Flaubert

Por Evan do Carmo

Literatura e Notícias

%d blogueiros gostam disto: