Conheça os 15 livros mais importantes da literatura brasileira

Fizemos uma lista dos romances essenciais da literatura brasileira. Aqueles que ajudaram a formar a nossa tradição literária, são estudados e conhecidos em todo mundo e estão praticamente em todas as provas de conhecimento sobre literatura.

Mas não só isso: indicamos alguns livros mais contemporâneos que também são muito importantes para a literatura nacional e outros que não são romances, mas também marcaram história.

Dom Casmurro (1889), de Machado de Assis

livros importantes da literatura brasileira

Difícil seria começar essa lista com um romance diferente: Dom Casmurro é considerado por especialistas o maior romance da literatura nacional. A história de amor e tragédia do triângulo Bentinho, Capitu e Escobar é envolvente do começo ao fim, cheia de detalhes e reflexões e expõe o lado mais genial do autor.

Continuar lendo Conheça os 15 livros mais importantes da literatura brasileira

Anúncios

Em nome do pai, novo livro de Genivaldo Salgado.

genivaldo 3.jpg

“E de se fazer livros não há fim, e muita devoção a eles é um cansaço para os ossos. ” Penso, que escrever seja a coisa mais fácil para o ser humano, pois todos têm uma história pessoal para ser escrita. Todavia é preciso verificar que história deve ser publicada. Contudo, para mim, o que sempre verifico, é se o que foi escrito deve ser levado em conta e, se esta história será lida, sobretudo se poderá acrescentar algo de bom ao leitor e ao mundo. O livro que tens em mãos, meu caro leitor, livro que tive a honra imerecida de editar, pois seu autor é para mim um grande amigo; primeiro, em todos idos, um magnífico professor, e hoje um irmão, na luta em transformar mentalidades pela poesia. 

Continuar lendo Em nome do pai, novo livro de Genivaldo Salgado.

Em Total Nudez “

Em Total Nudez ”

Finalmente , minha alma , eu te vejo assim como és :
Em total nudez …
Sem um fio das roupagens do velho ego .
Eu te vejo em teu puro Ser ,
Sem um átomo do falso Ter ,
Livre de todas as impurezas do pensar , do querer , do agir .
Vejo-te como um sopro de Deus ,
Como um raio de luz ,
Como uma excelsa emanação da Divindade .
Vejo-te , minha alma , em teu autêntico Eu-sou .
Perdi de vista todas as praias dos sentidos ,
Todos os litorais do intelecto ,
Todos os horizontes dos meus amores .
O meu divino Ser se desligou de todo o Ter , de todo o pensar , de todo o querer .
Naufragaram , no mar da eterna verdade ,
Todas as naus das minhas ilusões ,
Todos os nadas humanos foram plenificados pelo tudo divino .
Mestres do espírito haviam proibido que eu me amasse a mim mesmo ,
Porque só o meu próximo era objeto de amor .
Ai , quantas vezes afirmei esse amor-alheio substituindo o amor-próprio .
Mas eis que o Mestre dos Mestres disse :
” Ama teu próximo como a ti mesmo ” .
E eu descobri que só posso ter amor-alheio na medida do amor-próprio .
Revoguei do exílio injusto o meu amor próprio ,
E fi-lo modelo para meu amor-alheio .
Amo o meu Eu no Tu ,
E amo o meu Eu em Deus ,
Eu amo todo o Tu alheio assim como amo o meu Eu próprio .
E eu amo o meu Eu divino porque amo Deus em mim .
Amor próprio é auto-afirmação , é Teo-afirmação .
Nesta total nudez de minha alma ,
Nesta cristalina diafania de mim mesmo ,
Eu me vejo , Senhor , como uma creatura creadora ,
E , horrorizado da minha responsabilidade ,
Procuro fugir da Tua presença …
Ai de mim , se eu Te restituir apenas aquilo que de Ti recebi !
Ouvirei a sentença da minha condenação :
” Servo mau e preguiçoso ” .
Feliz de mim , se te restituir o que é teu –
E te der também o que é meu :
Se te der também o que é meu , ouvirei :
” Servo bom e fiel , entra no gozo do teu Senhor . ”
Que tenho eu até agora que seja meu ?
Acumulei objetos ao redor de mim , que não poderei levar comigo .
Que fiz eu dentro de mim que possa levar comigo ?
Posso dizer que dupliquei os dons que Deus me deu ?
Que vou devolver a Deus mais do que de Deus recebi ?
Creei valores eternos em mim – ou acumulei fatos efêmeros ao redor de mim ?
Se não sou pecador por comissão , não serei pecador por omissão ?
Quanto mais me vejo assim , na total nudez da verdade , fico apavorado ,
Ainda que eu seja trabalhador da última hora , doravante trabalharei na vinha de Deus ,
Com amor e alegria ,
Com entusiasmo e dedicação .

Huberto Rohden

Leitura reduzirá pena de Luiz Estevão, mas regra ainda não vale para todos

mmmmm
O senador cassado cumpre pena de 26 anos de prisão no Complexo Penitenciário da Papuda: diminuição de quatro dias da pena para cada livro comprovadamente lido(foto: Helio Montferre/Esp. CB/D.A Press)

Graças à leitura de obras de escritores como Machado de Assis, o empresário Luiz Estevão, condenado a 26 anos de cadeia, reduzirá o tempo atrás das grades. Nenhum preso do sistema penitenciário do Distrito Federal tem hoje direito a esse benefício, não regulamentado em Brasília. Mesmo assim, os desembargadores da Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT) decidiram, na última segunda-feira, assegurar a diminuição de pena ao ex-senador. O critério recomendado pelo Conselho Nacional de Justiça é a redução de quatro dias para cada livro comprovadamente lido pelo preso, até o máximo de 12 obras por ano. Com isso, é possível abreviar o tempo no cárcere em até 48 dias a cada ano. A partir da regulamentação do benefício autorizado a Luiz Estevão, a tendência é de que haja a liberação da benesse a outros presos.

Continuar lendo Leitura reduzirá pena de Luiz Estevão, mas regra ainda não vale para todos

SOBRE O FASCÍNIO DA BELEZA

PIANISTA SOLITÁRIO.jpg
OBRA DE ARTE DO POETA EVAN DO CARMO

Pessoas comuns são materialistas, possuem e são possuídas por outros iguais, elas não sabem apreciar o que é belo e bom, sem, contudo, ter o desejo ardente de possuir, de absorver com seu ventre insaciável, tudo o que lhes encanta os olhos.

O espírito livre não domina nem se deixar dominar, no entanto exerce o seu poder de atração sobre a beleza e a virtude, e os conduz, com liberdade suprema para o seu mundo particular, e é lá onde encontra a paz sublime da contemplação superior.

Enquanto os outros desejam ter e até matam para conseguir, o homem livre se compraz e se regozija apenas com o vinho doce da admiração dionisíaca

Evan do Carmo

SOBRE A BELEZA, DE CRIAR E DE VIVER

Traços... com moldura
OBRA DO POETA EVAN DO CAMRO

“É quase impossível conciliar razão e emoção, especialmente para um artista. Isto acontece pelo fato de que o poeta quer se apoderar de tudo o que é belo, e quando não o encontra o inventa, com sua arte, o mesmo ocorre nas suas relações com as pessoas…

Ainda sobre a beleza e sua razão de existir. Ela existe porque a notamos, contudo toda beleza se desvanece quando a tocamos, com mãos imperfeitas e cruéis…

Penso, e isto não é nada novo, que apenas criamos as artes, com um único fim, por tantos meios, em suas diversas nuances, como desculpa para existirmos em relativo conforto diante do caos…

Para que o encanto persista e nos conceda vida e certa medida de paz, deixemo-a em seu trono, inexoravelmente distante dos nossos íntimos afetos e contatos carnais e profanos, não a toquemos, para que sua majestade nos conduza ao mundo perfeito da ilusão do possuir…”

Evan do Carmo

Literatura e Notícias

%d blogueiros gostam disto: