A poesia não se explica. 

A poesia não se explica,
nem se classifica, por isso a chamamos poesia.

Mas ela pode ser muitas coisas
pode se transformar em tantas almas
ela, às vezes é apenas a brisa da manhã
o vento que sopra sem destino ou objetivo.
uma luz no desvão do caos da noite
um lapso de memória triste, um riso calmo
um rio que transborda e mata
um cântaro de lágrimas de saudades.

Ela, em mim, é uma dor que finjo não sentir
uma culpa que não se perdoa,
uma divida que não se paga
uma mágoa de um irmão
um coração ferido…
uma coisa atoa…

Ah se eu pudesse dizer tudo que penso
sobre a poesia, mas falo da poesia
que em mim habita, e que por vezes sangra.
A poesia do filho amigo e da mulher amada.
da mãe lactante e do pai morto…

Quantas poesias teria eu feito
se por engano ou por direito
tivesse nascido com este dom…

Evan do Carmo 26/12/2017

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s