O MITO DE SÍSIFO

O que dizer, não sou eu que escrevo,
se sou eu que penso, não posso afirmar
que não sou eu que faço o que faço, 
se é a mente quem move meu braço.

Todavia a poesia que de mim se exala,
o silêncio que dentro de meu abismo cala,
não pode ser obra do acaso terno,
tudo que respira tem um propósito eterno.

A solidão do esquizofrênico,
a confusão mental do epiléptico,
a doçura falsa da amante paga,
o desespero da mulher viúva,
a contrição do crente frente à uva,
a perversão de Herodes e a criança…

A Ilusão sagrada de Homero,
até o fogo de Roma sobre Nero,
o sacrifício do santo pelo pão,
o homem sofre, é Mito de Sísifo,
pelo caminho infindo da Razão…

Evan Do Carmo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s