ENTREVISTA COM O ESCRITOR JOSÉ PAULO ALVES FUSCO

71208503_512152342675267_8810930295969677312_n.jpg
José Paulo Fusco

1 – Quem é José Paulo Fusco?

Sou uma pessoa antenada com os acontecimentos, muito curioso a respeito das particularidades do pensamento humano. Também gosto de observar as pessoas em seus comportamentos, relacionamentos, fatos vividos e daí, tiro também muitas ideias para moldar personagens em minhas narrativas. Tenho uma grande atração por História de modo geral, mas em particular pela evolução e destino da Sociedade romana à época da ditadura de Júlio César e dos imperadores que se seguiram. A ascensão e queda do grande império romano, assim como muitos outros, fascinam-me pela grande semelhança da trajetória de todos eles, além da semelhança com tudo o que estamos vivendo em nosso hoje. Sou nascido em Bauru (SP) e criado na capital, mas vivi longos e prazerosos anos em Belo Horizonte (MG), onde trabalhei em muitas empresas e formei família. Meus três filhos ainda moram lá, junto com minhas três lindas netinhas. Então, eu penso que meu perfil, em poucas palavras, deve possuir características da vontade de realizar dos paulistas e do caráter reservado dos mineiros. Sempre gostei de fazer o que fiz e faço, seja como Engenheiro, Professor e Escritor e acredito que ainda tenho muitas contribuições a dar. Atualmente sou Secretário Geral da ABL – Academia Bauruense de Letras, com muito orgulho.

2 – Como conciliar a vida de professor e escritor?

Tendo lecionado e orientado alunos em programas de mestrado e doutorado em Engenharia de Produção, a pesquisa científica sempre fez parte de minhas atividades rotineiras. Assim, como professor, orientador e pesquisador, um caminho natural foi passar a escrever artigos técnicos e livros didáticos. Tais atividades formaram a base sobre a qual me aventurei e passei depois a escrever literatura. Atualmente poesias, crônicas, contos e romances são partes importantes de minha vida.

3 – Quantos livros já escreveu?

No tocante a livros técnicos, são nove no total, sem contar os muitos capítulos em livros nacionais e estrangeiros. Além desses, tenho em meu portfólio de escritor mais nove livros de literatura (mais três no prelo), entre poesias, contos, crônicas e romances também com participação em diversas coletâneas e antologias.

4 – Fale de sua experiência de escritor publicado

Posso dizer que em minhas publicações científicas e literárias tive o prazer de poder contar com a participação em editoras de primeira linha, dentre elas a Editora EME (Capivari SP), Editora do Carmo (Brasília DF) e Editora Arte & Ciência (São Paulo SP). Tanto meu primeiro livro técnico quanto de literatura podem ser considerados como meus primeiros filhos, com as dores do parto e tudo. No início tudo é mistério e novidade, requerendo uma boa dose de desprendimento pessoal nas inúmeras noites corrigindo textos, acrescentando uma ideia aqui, outra ali, verificação ortográfica e também atender às observações de meus ferozes revisores (brincadeira né). Até você receber o primeiro livro acabado da 1a. edição. Aí você olha, olha e dá aquela vontade de mudar tudo, mas é muito tarde, allea jacta est.

5 – Vende seus livros para alunos e colegas?

Quanto aos livros técnicos, principalmente nos cursos de graduação, os alunos precisavam adquirir porque eu os utilizava como livros-texto. As minhas aulas eram todas baseadas no meu próprio material. Já na pós-graduação strictu senso, a aquisição dos meus livros não era obrigatória, mas eram importantes fontes de pesquisas. Com relação aos livros de literatura, os exemplares em meu poder eram comercializados nas solenidades de lançamentos na ABL, livrarias e outros locais. Todos os livros, no entanto, podem ser encontrados em diversas livrarias pela internet (Cultura, Saraiva e outras).

6 – Sobre o processo de criação, como é o seu?

Isso depende muito do gênero em questão, ou seja, no caso dos livros técnicos as pesquisas e relatórios diversos, teses, dissertações, já definem em princípio como será sua formatação e o desenvolvimento. No caso dos livros de crônicas, o processo de criação ocorre uma a uma, de modo que após um certo tempo o resultado é uma dada quantidade de crônicas que, juntas e numa certa ordem, podem dar origem a um livro.

Agora, em contos e romances eu procuro antes delinear uma espécie de “espinha dorsal” para cada narrativa. De repente a história teima em sair fora dessa linha mestra, mas acho que isso aconteceria de qualquer jeito, porque às vezes os personagens parecem adquirir vida própria e praticamente exigem mudanças em suas trajetórias nas tramas.

7 – O Senhor é um homem otimista, sendo poeta e escritor?

Confesso que, de vez em quando a gente sente uma certa inércia em fazer as coisas, quando aparentemente o mundo parece estar andando para trás. No entanto, eu penso que qualquer um de nós pode escolher o papel que vai desempenhar nesta vida, se vai ser parte do problema ou da solução. Eu busco sempre, na medida do possível, fazer parte das soluções.

8 – A educação no Brasil tem conserto? Se tem, qual o caminho?

Em primeiro lugar, acho que é muito importante definir o nome do jogo de forma apropriada, porque muitas gente parece fazer uma grande confusão quanto ao significado de “educação”. Para muitos, a educação é algo que se aprende na escola e muitos pais realmente parece que “delegam” tudo em relação ao seu filho para as escolas. Em primeiro lugar, educação dos filhos é algo cuja maior responsabilidade é da família, das orientações dos pais, dos parentes, que devem incutir nas suas crianças valores adequados para a vida em Sociedade, respeito às pessoas, ao patrimônio público e às leis. O que a escola pode fazer, e muitas o fazem realmente, é complementar a educação dos alunos com bons professores, que também podem virar referências de conduta. No entanto, o principal papel das escolas é o ensino, da matemática, da língua portuguesa, dos esportes, ciências e outras disciplinas, pois é para isso que os professores estão preparados, com conhecimento, metodologia de ensino e didática.

Em minha humilde opinião de ex-professor, ainda que em curso superior, é trabalhar fortemente para reverter esse quadro, preparando melhor os pais, valorizando melhor o professor que, hoje, parece estar desempenhando um papel marginal neste filme.

09 – Como vê o Brasil atual?

Em minha opinião, a Sociedade humana (principalmente a brasileira) não está mais naquela fase de enfrentamentos ideológicos porque hoje simplesmente as ideologias não funcionam mais. A minha posição em relação a isso é tentar fazer parte daqueles que querem ver o Brasil em uma posição de destaque frente as outras nações, que querem ver um país livre dos enormes ciclos de corrupção que têm acontecido, mais recentemente qualificados como sendo a descoberta da maior quadrilha de corrupção da HISTÓRIA. As pessoas, habitantes deste país, merecem desfrutar de todas as riquezas do nosso imenso Brasil, que seja um pais sem donos únicos e privilegiados, mas que desperte nas pessoas a confiança no futuro e que vale a pena trabalhar para isso.

10 – Autores que admira?

Gosto particularmente de Guimarães Rosa com suas histórias sobre o sertão do Brasil.Também aprecio Olavo Bilac, um outro autor Israelense chamado Yuval Noah Harari que escreveu “Sapiens” e “Homo Deus”, reflexões sobre aspectos da história da humanidade e o que vem por aí. Não poderia deixar de mencionar também o nosso Carlos Drummond de Andrade. Aí entram muitos outros autores brasileiros como Millôr Fernandes, Luiz FernandoVeríssimo, etc.

11 – Incentiva seus alunos a serem escritores?

No que tange aos meus alunos de pós, não apenas eu os incentivo como também eu os “obrigo” a começar a escrever, pois faz parte do processo de aprendizado pelo qual eles têm de passar para obtenção de seus títulos e ter algum sucesso nas suas carreiras. Muitos deles já estão em plena produção de conhecimento publicando seus textos em revistas conceituadas, livros, congressos. Quanto à minha veia literária, até gostaria de ter alunos para poder passar a eles a minha pouca experiência, mas às vezes participando de feiras de livros muitos nos procuram para esclarecer alguns aspectos sobre produção cultural.

12 – Pretende se dedicar mais a escrita?

Ainda que a conjuntura do mercado editorial esteja hoje muito adversa, com muitas editoras fechando as suas portas e a grande concorrência dos títulos de escritores estrangeiros, procuro continuar fazendo a minha parte que, agora, teve sua amplitude aumentada. Se antes eu tinha que me preocupar “somente” com a produção literária, escrevendo as histórias, contos e crônicas, hoje eu preciso ser um pouco polivalente, tratar também de aspectos financeiros, arranjar patrocínios, correr atrás de preços. Os autores nacionais de modo geral, exceto os nossos “best sellers” como Paulo Coelho, vêm enfrentando enormes dificuldades em relação a isso.

13 – De que fala seus livros?

Minhas crônicas tratam de assuntos que nos cercam todos os dias, mas às vezes não temos muito tempo para refletir a respeito. Busco reflexões e respostas a indagações que envolvem questões do tipo “o que são valores e terrenos”, “o amor em movimento”, “o universo nos pertence”, “tempo de abraço”, “surfando na maré do universo”. Na produção dos romances, a fidelidade histórica foi um item de grande importância e que exigiu um esforço de pesquisa em várias fontes em à procura de informações. Busquei dar um tratamento bastante fiel ao tempo em que se dão os fatos descritos no enredo, situando os protagonistas envolvidos segundo seus papéis históricos verdadeiros. Do mesmo modo nos contos que fazem parte de um outro livro em fase final de elaboração, cuja edição deverá ocorrer ainda em 2020.

José Paulo Alves Fusco – 09/12/2019

Acesse a obra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s