MP do Trabalho pede afastamento de Sérgio Camargo, que nega assédios

Em março desse ano, três diretores da Fundação Palmares pediram demissão de seus cargos por alegarem não haver espaço para diálogo, inviabilizando o desenvolvimento dos trabalhos

Após o Ministério Público do Trabalho pedir o afastamento do presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, em uma ação que investiga denúncias de assédio moral, perseguição ideológica e discriminação aos servidores da pasta, o presidente se manifestou pelas redes sociais, negou as acusações e respondeu também com ofensas.

As denúncias que compõe a ação que pede o afastamento de Camargo foram divulgadas pelo Fantástico, da Rede Globo, no domingo (29/8) e, desde então, o presidente da Fundação Palmares se manifesta pelas redes sociais. 

Segundo o Fantástico, as denúncias são baseadas em relatos de 16 servidores e ex-funcionários, que expuseram uma rotina de ataques do chefe. Sérgio Camargo negou e disse que “todas as denúncias são fakes” e que partiram de “militantes vitimistas e traíras”.

“O MPT não tem autoridade para investigar servidores ou pessoas em cargos comissionados, pois somos regidos pelo estatuto, não pela CLT. As acusações partiram de militantes vitimistas e traíras. Há duas cartas públicas em minha defesa assinadas por todos os servidores da Palmares”, disse. 

Desde que assumiu a Fundação Palmares em novembro de 2019, Sérgio Camargo acumula polêmicas e se diz contra o movimento negro, que segundo ele é deletério. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s