Todos os posts de Evan do Carmo

Jornalista, escritor e poeta

Um dia, quando os homens não tiverem mais objetivo

Um dia, quando os homens não tiverem mais objetivo,  quando se cançarem de comer e de beber,  quando se fartarem dos prazeres com que alimentam suas entranhas, então a vida na terra não terá mais significado. Hoje, como há milhares de anos, os desejos dos homens são iguais, os mesmos de sempre – ter poder para dominar os mais frágeis,  e armazenar suprimentos para dias futuros, explorar o fracos e bajular os poderosos.

 

 

Anúncios

Saramago, divagando sobre sua própria morte.

Eu sou  José Saramago, escritor portugues, nasci pobre, não estudei em faculdade, e pela leitura me tornei escritor, mas a fama não me trouxe paz, pelo contrário, nunca pude crer em nada além do homem,  nem em Deus, para mim, imagem feita pelo ser humano, com o intuito de se proteger da calamidade natural, do caos incorrigível.

Continuar lendo Saramago, divagando sobre sua própria morte.

Platão x Homero

Segundo um erudito da mais alta proeminência, arguto crítico das artes literárias, no ocidente temos alguns escritores que nos são importantes  seus estudos, para compreender as origens das suas sapiências… Este senhor, que desfruta da mais alta posição entre os intelectuais do século vinte é, para mim, um individuo que merece respeito. Estudei sua obra por várias vezes e encontrei de fato, bastante inteligência nos seus ensaios. Todavia, descobri um propósito singular na sua prole literária critica. Em um contraponto entre Platão e Homero, ele, com estilo eloqüente, traz à luz um pensamento, que, a meu ver, não é veraz.

Continuar lendo Platão x Homero

Conceito divino sobre o uso do vinho

No livro dos juízes, a mãe de Sansão foi alertada pelo anjo de Jeová sobre beber vinho; isso em uma lista de coisas impuras que deveriam ser evitadas. Uma vez que aquele filho que ela teria de modo milagroso, por ser estéril, seria um Nazireu, ou alguém apartado para um fim sagrado. Segue o relato: “E agora guarda-te, por favor, e não bebas nem vinho nem bebida inebriante, e não comas nada impuro. Pois, eis que ficarás grávida e certamente darás à luz um filho, e não deve vir navalha sobre a cabeça dele, porque o rapazinho se tornará Nazireu de Deus ao sair do ventre; e será ele quem tomará a dianteira em salvar Israel da mão dos filisteus.” “Mas, ele me disse: ‘Eis que ficarás grávida e certamente darás à luz um filho. E agora, não bebas nem vinho nem bebida inebriante, e não comas nada impuro, porque o rapazinho se tornará Nazireu de Deus desde a saída do ventre até o dia da sua morte. ’”

Continuar lendo Conceito divino sobre o uso do vinho

Deus, à maneira de Alguns.

Deus, para homens, um modelo moral, uma  perfeição, para instituição religiosa um produto, fonte de onde se extrai benção e maldição. Homens estudiosos, no campo secular, ignoram este símbolo de temor. Deus, para os intelectuais, com algumas execeções, nada representa além de criação psicológica.

Houve poucos espíritos, no ramo da ciência que se importaram com este tema, alguns até produziram bons trabalhos, tentando de certa maneira, explicar, sobretudo para seus contemporâneos a razão de se incomodarem com este assunto de difícil domínio. Ainstein tentou se expressar, como bom jornalista que era, todavia com muitos arrodeios e média elouquência, sua religiosidade cósmica.

Continuar lendo Deus, à maneira de Alguns.

Mario Vargas Llosa

Mario Vargas Llosa,  escritor mediano, político medíocre, que nunca saiu do primeiro capítulo, sua biografia é de um escritor político e não o contrário, para o bem dos peruanos ele não consiguiu implacar suas ideias marxistas no mundo concreto da política. Nascido no mundo latino, se tornou revuluconário natural,  pela miséria que conheceu na própria pele. Viveu sua vida, grande parte, fora de sua pátria, escolheu ser escritor a ser político por tempo integral.

Continuar lendo Mario Vargas Llosa

Morte, inimigo número um do homem

Morte, inimigo número um do homem

Nossa alma sofre quando percebe a transitoriedade da vida, a existência, em sua mais alta complexidade, nos proporciona reconhecer que somos como uma bruma. Há uma força brutal na expressão: “tu és pó e ao po voltarás”. Convivemos muito bem com o nosso melhor inimigo, a morte, desde que ele não bata em nossa porta. Nos sentimos capazes de consolar alguém enlutado, temos palavras cheias de boa vontade de que nosso próximo possa superar a dor dilacerante da morte de um ente querido. Todavia não congitamos o fato concreto, nem em hipótese admitimos que a morte exista para todos. É como já disseram alguns filósofos estéreis, a morte é nossa única certeza. Assim como morre o homem, morre o cão. Alguns ainda defendem que a morte seja  uma coisa supra natural, que ao morrer se encontra o descanso eterno e desejado durante toda luta pela vida, pela felicidade.

Continuar lendo Morte, inimigo número um do homem