Arquivo da categoria: Sem categoria

Empresário aposta no entorno

Com as dificuldades de moradia no DF, muitas pessoas com  condições financeiras razoáveis estão investindo no entorno.

image

Em cidades próximas de Brasília, como o Lago Azul, que fica a 15 km do Gama. Contudo, é preciso ser um empreendedor visionário para apostar em cidades do entorno como fez o empresário Felipe, que constrói projetos ambiciosos como este da foto acima. São prédios com 4 apartamentos construídos com material de primeira linha.

São moradias aconchegantes, com dois quartos, um belo banheiro e uma cozinha americana. Felipe já vendeu uma unidade para uma médica que ama a cidade. Os apartamentos sao de alto nível e oferece excelente condições de investimento. Preço em torno de 150.000,00. Contato. 61.8413-0423

Casa da Mulher Brasileira na Asa Norte

Casa da Mulher Brasileira de Brasília será inaugurada na quinta-feira
image

Equipamento reunirá num só local todos os serviços de apoio a mulheres vítimas de violência

Brasília (22/5/2015) – A Casa da Mulher Brasileira de Brasília será inaugurada na próxima quinta-feira (28), às 16h, na 601 Norte. A confirmação foi feita pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR). Para a cerimônia, foram convidados a presidente Dilma Roussef e o governador Rodrigo Rollemberg.

A Casa da Mulher Brasileira faz parte do programa “Mulher, Viver sem Violência”, do governo federal, que tem a adesão do governo de Brasília. A ideia é reunir num só local todos os serviços de atendimento a mulheres vítimas de violência.

De acordo com o programa, cabe ao governo federal construir as instalações físicas e entregar móveis, computadores e demais equipamentos. A gestão será compartilhada com o governo de Brasília, mais especificamente a Secretaria de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Semidh), e demais parceiros.

Os preparativos para a inauguração seguem de vento em popa. Nesta semana, foi publicado o convênio firmado entre a SPM-PR e o Governo de Brasília, por meio da Semidh, que manterá a Casa durante dois anos. O valor é de 13,7 milhões. Antes, já havia sido divulgado o decreto de implantação da Casa.

No início da próxima semana, a SPM-PR, a Semidh e os demais parceiros darão início ao processo de formação dos servidores que atuarão no novo equipamento. Será realizado o curso de sensibilização na temática de violência contra as mulheres e o funcionamento da Casa. Nesta sexta (22), o DFTrans colocou as placas de endereçamento nas ruas próximas ao local.

O que é – A Casa da Mulher Brasileira de Brasília ocupa terreno de 13 mil m², sendo 3,5 mil m² de área construída, na 601 Norte, atrás do Serpro. No local, vão funcionar delegacia de polícia, promotoria, defensoria pública, vara de gênero, atendimento psicossocial e serviços de autonomia econômica. Cada área é pintada de uma cor. Haverá ainda brinquedoteca, para os filhos das mulheres atendidas, auditório e salas de reunião.

De acordo com o programa “Mulher, Viver Sem Violência”, gerido pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, serão instaladas, ao todo, 27 Casas da Mulher Brasileira no País, uma em cada capital e no DF. A de Campo Grande, no Mato Grosso, foi a primeira a ser entregue, no início de fevereiro.

Construtoras de Brasília reclamam do atraso na expedição do habite-se

Pelo menos 30 mil consumidores não podem se mudar para imóveis prontos — comprados ainda na planta — porque o documento do habite-se não foi expedido. A estimativa vem do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-DF) e da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-DF). Segundo as entidades, são mais de 10 mil apartamentos desocupados. A maioria das unidades concentra-se em Taguatinga (8,6 mil). Sem a liberação do documento, os clientes não podem receber as chaves nem fazer oFINANCIAMENTOimobiliário. Dessa forma, continuam pagando os juros de obra (Índice Nacional da Construção Civil), que variam mensalmente, como se o apartamento ainda estivesse em construção. Com o atraso, os moradores encaram as taxas mais altas e as mudanças nas regras da Caixa.

A demora na entrega das chaves vem desde novembro de 2014, quando o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) acatou, em caráter liminar, o pedido do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e suspendeu o decreto do Executivo local que liberava a exigência de Relatório de Impacto de Trânsito (RIT) para obras licenciadas até 31 de dezembro de 2010. A decisão manda que os empreendimentos apresentem estudo de trânsito e laudo de conformidade como condição do habite-se. De acordo com o texto da liminar, o Executivo local não poderia legislar sobre uma questão federal — no caso, o Código Brasileiro de Trânsito.

A partir da decisão, as construtoras tiveram que providenciar a documentação exigida a fim de entregar os imóveis. “Mesmo sem o julgamento do mérito, a liminar já suspendeu os efeitos do decreto. Do dia para a noite, empreendimentos que estavam regulares ficaram na irregularidade. Agora, as construtoras estão começando do zero”, reclama Adalberto Júnior, vice-presidente da indústria imobiliária do Sinduscon-DF. Para Paulo Muniz, presidente da Ademi-DF, esse tipo de situação traz insegurança jurídica e prejudica o mercado. “Os empreendimentos estavam na legalidade, com os memoriais registrados e tudo o que era necessário. Além de prejudicar as construtoras, temos um problema mais grave: todos os compradores dos imóveis são terceiros de boa-fé e têm os seus direitos”, afirma.

Continuar lendo Construtoras de Brasília reclamam do atraso na expedição do habite-se

Os povos mais perseguidos de nosso planeta estão embarcando em verdadeiros

Os povos mais perseguidos de nosso planeta estão embarcando em verdadeiros “navios da morte” para fugir da violência e encontrar um lugar seguro para suas famílias. Em vez de responder com humanidade, porém, nossos governos estão fechando as fronteiras, deixando que essa gente morra de fome e se afogue no mar.

O Mediterrâneo e mar de Andamão estão se tornando cemitérios.

Mianmar está expulsando o povo da etnia Rohingya e, com isso, milhares de famílias estão à deriva no mar, impotentes, forçadas a beber sua própria urina porque haviam sido rejeitadas pela Malásia, Tailândia e Indonésia. Todas as semanas, cidadãos sírios e africanos também correm o perigo de morrer afogados na costa sul da Europa ao arriscar a travessia assustadora, tida como a última esperança de escapar de tortura, fome e traficantes.

Por que o amor vale a pena

Por que o amor vale a pena.

Grandes  poetas e pensadores, sobretudo os que se esquivaram de amar, ou que por desilusão amorosa, como Fernando Pessoa e Nietzsche, se isolaram da convivência com os meros mortais, chegaram a tal conclusão errônea: A de que o amor enfraquece o espírito. Que  só amor destrói.

Bom, lamentável para eles, pois nao chegaram a conhecer o real sentido da existência humana. Todavia, embora filosoficamente tenham alguma razão as suas teses bem escritas, isto ocorre pelo fato de todos nós termos um filósofo que nos atormenta, mas em mim sempre vence o o poeta que nos acalenta. Graças ao amor que vivi, que dei e recebi, é por este amor que estou vivo.
Fraco, talvez, pois o amor tem suas nuances, e suas reciprocidades. Quem amar cuida, cuidar de alguém requer tempo e dedicação diários. Sou frágil por amar, sou tolerante por amar. Sou incapaz por amar. Sou injusto por amar. Sou, sobretudo infeliz por amar apenas de modo parcial quando devia ser perfeito e completo por amar.

Mas, acima de tudo e de todos os entraves que o amor possa criar nas relações humanas, afirmo e confirmo com minha vida prática, que o amor, mesmo imperfeito e falho pode ser, a longo prazo a salvação de nossa humanidade.

Polícia Federal cumpre seis mandados judiciais na 13ª fase da Lava-Jato

Desde a madrugada desta quinta-feira (21/5), a Polícia Federal cumpre seis mandados judiciais na 13ª fase da Operação Lava-Jato, que investiga um grande esquema de corrupção na Petrobras. As ações ocorrem em Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. São quatro de busca e apreensão, um de condução coercitiva – quando a pessoa é levada para depoimento – e um de prisão preventiva.

Dos quatro mandados de busca, um será cumprido em Itanhandu (MG), outro no Rio de Janeiro e dois em São Paulo. Os mandados de condução e de prisão serão cumpridos em São Paulo. Segundo a PF, o objetivo é apurar fatos criminosos atribuídos a dois operadores financeiros. Segundo a investigação, eles atuavam junto a contratos firmados por empreiteiras com a estatal.